CORTA FOGO SOLIDÁRIO – Plataforma de Apoio às Vítimas dos Incêndios

Foto: Paulo Novais/Lusa

Não basta a consternação pelas vítimas dos incêndios!

Os sentimentos devem mobilizar-nos à ação.

São muitas as famílias vítimas do fogo que enfrentam agora dificuldades sérias para recomeçar as suas vidas, sem os recursos que perderam.

A Fundação Maria Beatriz Lopes da Cunha lança a campanha CORTA FOGO SOLIDÁRIO para que a ajuda a estas pessoas chegue, de facto e de forma célere, aos seus destinatários.

CONTRIBUA E DIVULGUE! MOBILIZE E MOBILIZE-SE!


O projeto Corta Fogo Solidário

O projeto Corta Fogo Solidário é uma iniciativa privada de apoio às vitimas dos incêndios de 15 de outubro de 2017. Nasce do desejo de não ficarmos parados ante um sofrimento de quem nos é tão próximo.

Perante esta situação de calamidade, com particular incidência na zona Centro, a Fundação Maria Beatriz Lopes da Cunha, a partir do Clube Colina e de um Comité de Ação com elementos provenientes das áreas afetadas, decidiu implementar uma Plataforma de Apoio às Vítimas dos Incêndios 2017.

Na foto, os elementos do Comité de Ação: Maria Helena Sobral, Maria dos Anjos Matias e Joana Faure, acompanhadas por Maria do Céu Lopes (Presidente do Conselho de Administração da FMBLC) e Marta  Faria (assessora).

Ao conceber este projeto, procurámos ter em atenção dois princípios:

 

  1. A nossa intervenção prevê-se de médio prazo, uma vez que as necessidades imediatas já foram satisfeitas, de modo excelente e extremamente solidário, por outros organismos. O objetivo não é simplesmente ajudar à sobrevivência, mas contribuir para que as vítimas dos incêndios voltem o mais depressa possível ao estilo de vida que tinham anteriormente. Deste modo, o projeto da FMBLC destina-se a procurar bens duráveis, essenciais para a vida de qualquer família, e ajudar no investimento necessário para que as pessoas voltem às suas casas e seus trabalhos.

  2. Tendo em conta as dúvidas de tantas pessoas que contribuíram para fundos de apoio às vítimas, estabelecemos    um     sistema de comunicação e ação que parte sempre de uma necessidade concreta, identificada por uma pessoa no terreno. Para esse efeito, pedimos ajuda aos amigos da Fundação e a quem quiser ajudar.

 

O seguinte organigrama ilustra o modo como os projetos são sujeitos a candidatura e geridos através da rede de contactos da FMBLC.

Organigrama de Ação

Projetos em Curso

Apoios às Vítimas
Campos de Trabalho

 

 

 

 

 

 


Na primeira pessoa

Vivo na cidade de Braga, perto do Monte de Santa Marta, a caminho do Sameiro. Temos cinco filhos, com idades entre os 1 e 9 anos. No dia 15 de outubro de 2017, pelas 18.30h, fui ao quarto dos miúdos e já vi o incêndio a descer pela encosta de forma galopante. O meu marido não estava e, confiante na atuação dos bombeiros, resolvi começar a preparar os banhos das crianças, enquanto vigiava o fogo pela janela.

De repente, o vento virou para o nosso lado e começaram a chover fagulhas como se fosse fogo-de-artifício. Interrompi o banho, agarrei nos meus filhos e fui para casa dos meus sogros que vivem a 800m. Mas o fogo já vinha também a descer o monte da Falperra, a cerca de 1 km, num remoinho de cinzas e faúlhas. Saímos de casa, nós e os vizinhos, mas a polícia tinha cortado o trânsito. Não tínhamos como fugir!!!

Graças a Deus, pelas 22.00h, os bombeiros vieram e conseguiram controlar o fogo a cerca de 400m das moradias. Entretanto, com a ajuda dos vizinhos, regámos as madeiras das casas, os quintais, apanhámos as folhas… À uma da manhã, o incêndio foi considerado extinto.

No domingo seguinte, correspondendo ao sentimento de todos, o nosso pároco celebrou uma Missa de Ação de Graças pela proteção que recebemos nesse dia tão trágico para tantos portugueses.

Marta Torres

(Vogal do Conselho de Administração da FMBLC)