Projeto Cabo Verde 2018

Projeto Cabo Verde 2018

 

O Projeto Cabo Verde

O Projeto Cabo Verde é um projeto de voluntariado internacional para a cooperação, desenvolvido por estudantes universitárias e jovens profissionais.

Resulta da parceria entre várias associações portuguesas – a Fundação Maria Beatriz Lopes da Cunha, os Álamos, o Rampa Clube, a Cooperativa de Telheiras para a Promoção da Solidariedade e da Cultura, CRL e a Associação Cultural das Areias (Estoril) – em colaboração com a comunidade local cabo-verdiana.

A estratégia de intervenção abrange três pilares fundamentais do desenvolvimento social: educação e formação, saúde e ambiente.

 

Queres inscrever-te como Voluntária?

As inscrições são feitas online através do site do Projeto Cabo Verde 2018. Aí também poderás encontrar outras informações úteis como: locais e datas de atuação, material necessário, critérios de seleção, etc.

 

Outras formas de colaborar com o PCV 2018

Também é possível colaborar enviando donativos para a conta com o IBAN PT50 0033 0000 45356061221 05

Todos os donativos para o Projeto Cabo Verde 2018 gozam de benefícios fiscais nos termos do disposto na alínea b) do n.º 1 do artigo 63º e da alínea c) do n.º 1 do artigo 62º-B, do Estatuto dos Benefícios Fiscais.

 

Apoio ao Incontro Romano 2017 – “ Modelando um Mundo mais Acolhedor”

Apoio ao Incontro Romano 2017 – “ Modelando um Mundo mais Acolhedor”

 

A Fundação Maria Beatriz Lopes da Cunha apoiou a participação portuguesa no Forum Internacional Incontro Romano 2017, em Roma.

 

O Incontro Romano

Desde 1990, são mais de 6000 os participantes, procedentes de 60 países, que ao longo destes anos se têm reunido, durante a Semana Santa, no Forum Internacional Incontro Romano partilhando estudos, experiências criativas, iniciativas e projetos relacionados com um tema geral, atual e aberto.

O Incontro Romano é uma iniciativa que cria espaços de reflexão e promove ações que centralizem a atenção na pessoa humana, fomentem a investigação interdisciplinar, a capacitação com excelência e respondam ao desafio urgente de proteger e melhorar a nossa “casa comum”.

“Modelando um Mundo mais Acolhedor”

Em 2017, o tema Modelando um Mundo mais Acolhedorprocurou responder ao desafio: “A cultura do acolhimento e da solidariedade, segundo a qual ninguém pode ser considerado inútil, deslocado ou descartável”. (Cfr. Mensajem do Papa Francisco para a Jornada Mundial do Emigrante e do Refugiado, 2015).

Nas circunstâncias atuais de mobilidade por razões de trabalho, estudo, migração, perseguição, é urgente despertar uma atitude interior de acolhimento que todo o ser humano possui, e em particular a mulher. Cada pessoa deveria sentir o mundo como a sua casa pelo trato, pela atenção, pelo cuidado. Todos somos responsáveis pelos outros, pelo ambiente humano e acolhedor em que habitamos. O mundo será acolhedor, se cada um é acolhedor. Quando se fomenta a amabilidade, a magnanimidade, a hospitalidade traduz-se em mensagens não verbais que traduzem um profundo respeito, um sentido de responsabilidade pelo outro.

 

A participação portuguesa

Este ano, Portugal contou com uma representação de onze participantes provenientes do Porto (Residência de Estudantes  Rotunda), Lisboa (Residência de Estudantes Laranjeiras) e Montemor-o-Novo coordenada pela formadora Maria Teresa Damásio.

O grupo português obteve o primeiro prémio nas equipas de Criação e Criatividade com a apresentação de um Porto de Honra acompanhado de aperitivos em formato de barcos rabelos.

Seminário para Profissionais e Aficionadas da Moda

Seminário para Profissionais e Aficionadas da Moda

Contribuir positivamente nas tendências e estilos de vida, particularmente no setor da moda, constituiu o objetivo do SEMINÁRIO PARA PROFISSIONAIS E AFICIONADAS DA MODA.

Organizado pela Fundação Maria Beatriz Lopes da Cunha, teve lugar no  dia 27 de maio de 2017, em Fátima, no Hotel dos Três Pastorinhos, com a presença de Paloma Diaz Soloaga.

Paloma Diaz Soloaga é professora titular da Universidad Complutense de Madrid e diretora do master em Comunicação e Gestão de Moda no Centro Universitario Villanueva, na mesma cidade.  Possui licenciatura em Jornalismo e doutoramento em Comunicação e Relações Públicas pela UCM. Desde 2005, o seu campo de investigação e publicações têm versado sobre temas como: “Estereótipos femininos criados na publicidade de marcas de moda. Análise de Conteúdo e estudo de  efeitos nas Mulheres” ou “Gestão de marcas e processos de comunicação”, entre outros.

Diversas bloggers, consultoras de moda, designers, representantes da indústria têxtil e da investigação universitária estiveram também presentes no SEMINÁRIO PARA PROFISSIONAIS E AFICIONADAS DA MODA para  partilharem a sua experiência e boas práticas.

Blogs representados: “A mil à hora“, “Monozigo Sisters“, “ O Blog da Maria

Teresa Ulrich (Monozigo Sisters)
Paloma Diaz Soloaga

 

 

Apoio ao espetáculo “FÁTIMA – O DIA EM QUE O SOL BAILOU” – Viseu

Apoio ao espetáculo “FÁTIMA – O DIA EM QUE O SOL BAILOU” – Viseu

 

No âmbito das comemorações do Dia Internacional da Família e do Centenário das Aparições, a Fundação Maria Beatriz Lopes da Cunha decidiu apoiar, em parceria com a Diocese, o Município de Viseu e a EDP, o espetáculo multidisciplinar produzido pela Vortice Dance CompanyFÁTIMA – O DIA EM QUE O SOL BAILOU– realizado no Pavilhão Multiusos de Viseu, em três sessões, respetivamente:

  • 20 de maio, sábado, às 16.00h
  • 21 de maio, domingo, às 15.00h e às 17.30h .

 

 

Assinado por Cláudia Martins e Rafael Carriço, o espetáculo evoca a presença de Nossa Senhora “vestida toda de branco, mais brilhante que o sol” diante das três crianças, Lúcia, Jacinta e Francisco. O paralelismo entre o momento da aparição e o tempo presente é estabelecido pela fusão de disciplinas artísticas como dança, vídeo, video mapping e cenografia 3D.

A partir dos eventos de 1917, e pela combinação de diferentes artes, faz-se um retrato deste acontecimento que da Cova da Iria marcou o século XX e toda a História Mundial Contemporânea. A universalidade da mensagem de Fátima é marcada pela participação de artistas de diferentes nacionalidades, maioritariamente jovens, acentuando a sua relevância e necessidade de transmissão de geração em geração.

O público pôde  assim usufruir de um espectáculo de qualidade e pouco comum, a troco de módica contribuição, atraindo milhares de espectadores, numa média de mil participantes por sessão.

Projeto Cabo Verde 2017

Projeto Cabo Verde 2017

O Projet15896215_588007951394680_5798623400159278766_oo Cabo Verde (PCV) é um projeto de voluntariado internacional para a cooperação, desenvolvido por estudantes universitárias e jovens profissionais.

Resulta da parceria entre várias associações portuguesas – a Fundação Maria Beatriz Lopes da Cunha, os Álamos, o Rampa Clube, a Cooperativa de Telheiras para a Promoção da Solidariedade e da Cultura, CRL e a Associação Cultural das Areias (Estoril) – em colaboração com a comunidade local cabo-verdiana.

A estratégia de intervenção abrange três pilares fundamentais do desenvolvimento social: educação e formação, saúde e ambiente. A intervenção no terreno, em 2017, efetivou-se de 25 de julho a 13 de agosto e decorreu no bairro do Fonton, na cidade da Praia.

Os objetivos globais e específicos do Projeto pretenderam dar um contributo para fazer dos beneficiários os protagonistas do seu próprio desenvolvimento e, complementarmente, apostar na formação das voluntárias, valorizando a iniciativa de cada uma e proporcionando uma oportunidade de treinar, ganhar e aperfeiçoar competências.

Com o intuito de maximizar o impacto do PCV e potenciar a sua intervenção, foi estabelecida uma relação muito próxima com a comunidade local, nomeadamente o Centro de Intervenção Comunitária de Fonton.

“A Alegria de Construirmos uma Família Feliz” – Rosa Pich e José Maria Postigo

“A Alegria de Construirmos uma Família Feliz” – Rosa Pich e José Maria Postigo

conferencias-rosa-pich-2016De 10 a 12 de novembro de 2016, nas cidades de Almada, Lisboa, Porto e Braga, a Fundação Maria Beatriz Lopes da Cunha, em parceria com a Associação Portuguesa de Famílias Numerosas, promoveu a conferência para pais e educadores “A Alegria de construirmos uma Família Feliz”, em que foram oradores Rosa Pich e José Maria Postigo.

­

Rosa Pich-Aguilera Roca, mãe de 18 filhos, trabalhadora a tempo parcial e autora do livro «Como ser feliz com 1, 2, 3… filhos?» (Paulinas, 2014), revela neste testemunho real a sua feliz e extraordinária aventura no seio da maior família com crianças e adolescentes escolarizados de Espanha e, possivelmente, da Europa.

1507-1

A obra «Como ser feliz com 1, 2, 3… filhos?» versa temas simples e complexos, comuns a todas as famílias com crianças, como a hora da refeição, a escolha da escola, as discussões com o marido, premiar e castigar, conciliar estudo e lazer, gerir o orçamento, amor e sexo, desporto, religião, morte, férias e logística.

“A Cultura do Encontro” – ação de formação

“A Cultura do Encontro” – ação de formação
­a-cultura-do-encontro-12-e-13-de-novembrofrente

­

“Não olhar apenas, mas ver; não ouvir apenas, mas escutar; não só cruzar-se com os outros, mas parar! (Papa Francisco)

­

­

­

O mundo contemporâneo desafia-nos a construir uma Cultura do Encontro que vença a Cultura da Indiferença. Encontro consigo mesmo, na família, nas relações sociais, no trabalho e no descanso, com os mais desfavorecidos, com o transcendente.

A Fundação Maria Beatriz Lopes da Cunha apoia uma ação de formação com a duração de dois dias, dirigida a um público-alvo adulto, que incluirá conferências, palestras e workshops subordinados a este tema.

Esta ação de formação teve lugar nos dias 12 e 13 de novembro de 2016,  em S. Pedro de Sintra.

O Clube Colina – o Living Lab da Fundação em Braga

Desde sempre foi preocupação da Fundação que a infraestrutura a construir em Braga, bem como todas as que futuramente se vierem a edificar, viessem a ter uma clara e elevada taxa de utilização tirando partido de todas as valências oferecidas de uma forma permanente. O objetivo será que todas as unidades ou valências da Fundação sejam montras vivas – Living Labs – dos seus projetos, implementações reais dos conceitos de sustentabilidade para a Família, realizações animadas pela Juventude, onde se aplica a metodologia da Educação Personalizada.

131

O Clube Colina define-se como um Clube de Famílias que, juntamente com especialistas em diferentes áreas, assumem a responsabilidade da organização de atividades culturais caracterizadas pela transversalidade dos eixos estratégicos da Fundação e com uma programação regular para jovens dos 10 aos 25 anos.

Além de pretender assumir um papel com particular incidência no desenvolvimento social, é missão do Clube Colina ser um polo aglutinador da colaboração das famílias para a formação integral da juventude preparando-a para uma atuação construtiva na sociedade do futuro.

Daí que a sua visão– “Formar  o futuro” – se concretize nos seguintes objetivos gerais:

  • Potenciar a geração de profissionais do futuro;
  • Ajudar na construção de uma sociedade com cidadãos conscientes, empenhados e capazes;
  • Promover a excelência nas artes, ciências e ofícios;
  • Revitalizar o papel das famílias na qualificação da educação e da sociedade;
  • Ser uma incubadora de inovação social, partindo da aposta nas novas gerações.

O Clube Colina possui uma abordagem inovadora no acompanhamento personalizado de cada jovem, através de um processo de coaching, que pode abarcar todas as dimensões da personalidade e do projeto de vida, de acordo com as suas necessidades e num contexto de liberdade, num ambiente de amizade e confiança recíprocas.