Projeto Cabo Verde 2018

Projeto Cabo Verde 2018

 

O Projeto Cabo Verde

O Projeto Cabo Verde é um projeto de voluntariado internacional para a cooperação, desenvolvido por estudantes universitárias e jovens profissionais.

Resulta da parceria entre várias associações portuguesas – a Fundação Maria Beatriz Lopes da Cunha, os Álamos, o Rampa Clube, a Cooperativa de Telheiras para a Promoção da Solidariedade e da Cultura, CRL e a Associação Cultural das Areias (Estoril) – em colaboração com a comunidade local cabo-verdiana.

A estratégia de intervenção abrange três pilares fundamentais do desenvolvimento social: educação e formação, saúde e ambiente.

 

Queres inscrever-te como Voluntária?

As inscrições são feitas online através do site do Projeto Cabo Verde 2018. Aí também poderás encontrar outras informações úteis como: locais e datas de atuação, material necessário, critérios de seleção, etc.

 

Outras formas de colaborar com o PCV 2018

Também é possível colaborar enviando donativos para a conta com o IBAN PT50 0033 0000 45356061221 05

Todos os donativos para o Projeto Cabo Verde 2018 gozam de benefícios fiscais nos termos do disposto na alínea b) do n.º 1 do artigo 63º e da alínea c) do n.º 1 do artigo 62º-B, do Estatuto dos Benefícios Fiscais.

 

Seminário para Profissionais e Aficionadas da Moda

Seminário para Profissionais e Aficionadas da Moda

Contribuir positivamente nas tendências e estilos de vida, particularmente no setor da moda, constituiu o objetivo do SEMINÁRIO PARA PROFISSIONAIS E AFICIONADAS DA MODA.

Organizado pela Fundação Maria Beatriz Lopes da Cunha, teve lugar no  dia 27 de maio de 2017, em Fátima, no Hotel dos Três Pastorinhos, com a presença de Paloma Diaz Soloaga.

Paloma Diaz Soloaga é professora titular da Universidad Complutense de Madrid e diretora do master em Comunicação e Gestão de Moda no Centro Universitario Villanueva, na mesma cidade.  Possui licenciatura em Jornalismo e doutoramento em Comunicação e Relações Públicas pela UCM. Desde 2005, o seu campo de investigação e publicações têm versado sobre temas como: “Estereótipos femininos criados na publicidade de marcas de moda. Análise de Conteúdo e estudo de  efeitos nas Mulheres” ou “Gestão de marcas e processos de comunicação”, entre outros.

Diversas bloggers, consultoras de moda, designers, representantes da indústria têxtil e da investigação universitária estiveram também presentes no SEMINÁRIO PARA PROFISSIONAIS E AFICIONADAS DA MODA para  partilharem a sua experiência e boas práticas.

Blogs representados: “A mil à hora“, “Monozigo Sisters“, “ O Blog da Maria

Teresa Ulrich (Monozigo Sisters)
Paloma Diaz Soloaga

 

 

Apoio ao espetáculo “FÁTIMA – O DIA EM QUE O SOL BAILOU” – Viseu

Apoio ao espetáculo “FÁTIMA – O DIA EM QUE O SOL BAILOU” – Viseu

 

No âmbito das comemorações do Dia Internacional da Família e do Centenário das Aparições, a Fundação Maria Beatriz Lopes da Cunha decidiu apoiar, em parceria com a Diocese, o Município de Viseu e a EDP, o espetáculo multidisciplinar produzido pela Vortice Dance CompanyFÁTIMA – O DIA EM QUE O SOL BAILOU– realizado no Pavilhão Multiusos de Viseu, em três sessões, respetivamente:

  • 20 de maio, sábado, às 16.00h
  • 21 de maio, domingo, às 15.00h e às 17.30h .

 

 

Assinado por Cláudia Martins e Rafael Carriço, o espetáculo evoca a presença de Nossa Senhora “vestida toda de branco, mais brilhante que o sol” diante das três crianças, Lúcia, Jacinta e Francisco. O paralelismo entre o momento da aparição e o tempo presente é estabelecido pela fusão de disciplinas artísticas como dança, vídeo, video mapping e cenografia 3D.

A partir dos eventos de 1917, e pela combinação de diferentes artes, faz-se um retrato deste acontecimento que da Cova da Iria marcou o século XX e toda a História Mundial Contemporânea. A universalidade da mensagem de Fátima é marcada pela participação de artistas de diferentes nacionalidades, maioritariamente jovens, acentuando a sua relevância e necessidade de transmissão de geração em geração.

O público pôde  assim usufruir de um espectáculo de qualidade e pouco comum, a troco de módica contribuição, atraindo milhares de espectadores, numa média de mil participantes por sessão.

Projeto Cabo Verde 2017

Projeto Cabo Verde 2017

O Projet15896215_588007951394680_5798623400159278766_oo Cabo Verde (PCV) é um projeto de voluntariado internacional para a cooperação, desenvolvido por estudantes universitárias e jovens profissionais.

Resulta da parceria entre várias associações portuguesas – a Fundação Maria Beatriz Lopes da Cunha, os Álamos, o Rampa Clube, a Cooperativa de Telheiras para a Promoção da Solidariedade e da Cultura, CRL e a Associação Cultural das Areias (Estoril) – em colaboração com a comunidade local cabo-verdiana.

A estratégia de intervenção abrange três pilares fundamentais do desenvolvimento social: educação e formação, saúde e ambiente. A intervenção no terreno, em 2017, efetivou-se de 25 de julho a 13 de agosto e decorreu no bairro do Fonton, na cidade da Praia.

Os objetivos globais e específicos do Projeto pretenderam dar um contributo para fazer dos beneficiários os protagonistas do seu próprio desenvolvimento e, complementarmente, apostar na formação das voluntárias, valorizando a iniciativa de cada uma e proporcionando uma oportunidade de treinar, ganhar e aperfeiçoar competências.

Com o intuito de maximizar o impacto do PCV e potenciar a sua intervenção, foi estabelecida uma relação muito próxima com a comunidade local, nomeadamente o Centro de Intervenção Comunitária de Fonton.

“A Cultura do Encontro” – ação de formação

“A Cultura do Encontro” – ação de formação
­a-cultura-do-encontro-12-e-13-de-novembrofrente

­

“Não olhar apenas, mas ver; não ouvir apenas, mas escutar; não só cruzar-se com os outros, mas parar! (Papa Francisco)

­

­

­

O mundo contemporâneo desafia-nos a construir uma Cultura do Encontro que vença a Cultura da Indiferença. Encontro consigo mesmo, na família, nas relações sociais, no trabalho e no descanso, com os mais desfavorecidos, com o transcendente.

A Fundação Maria Beatriz Lopes da Cunha apoia uma ação de formação com a duração de dois dias, dirigida a um público-alvo adulto, que incluirá conferências, palestras e workshops subordinados a este tema.

Esta ação de formação teve lugar nos dias 12 e 13 de novembro de 2016,  em S. Pedro de Sintra.

Summer School de Ética Filosófica: das regras à Felicidade

“A nossa felicidade depende de nós mesmos” (Aristóteles).

Se todos desejamos a felicidade e se esta depende de nós, porque encontramos tanta gente que diz que não é feliz? Não são pessoas temperadas pela vida e que sofreram muito, mas sim pessoas que tinham tudo para serem felizes.

Esta ação de formação em Ética Filosófica visa analisar e integrar as respostas de grandes filósofos da História – desde Sócrates a Nietzsche, até chegar a filósofos contemporâneos como MacIntyre e Speamman –  nesta questão que todo o homem se coloca. Em lugar de dar receitas feitas para atingir a felicidade, que existem, o seu objetivo consiste em fornecer um conjunto de ferramentas especulativas que contribuam para a única questão que todo o homem adulto se deveria colocar com seriedade: o que é a Felicidade e em que consiste o seu objeto?

Com a duração de 40 horas, a Summer School realizou-se em Sintra, durante o mês de agosto, dirigindo-se a jovens estudantes do ensino superior e últimos anos do ensino secundário.   

O Clube Colina – o Living Lab da Fundação em Braga

Desde sempre foi preocupação da Fundação que a infraestrutura a construir em Braga, bem como todas as que futuramente se vierem a edificar, viessem a ter uma clara e elevada taxa de utilização tirando partido de todas as valências oferecidas de uma forma permanente. O objetivo será que todas as unidades ou valências da Fundação sejam montras vivas – Living Labs – dos seus projetos, implementações reais dos conceitos de sustentabilidade para a Família, realizações animadas pela Juventude, onde se aplica a metodologia da Educação Personalizada.

131

O Clube Colina define-se como um Clube de Famílias que, juntamente com especialistas em diferentes áreas, assumem a responsabilidade da organização de atividades culturais caracterizadas pela transversalidade dos eixos estratégicos da Fundação e com uma programação regular para jovens dos 10 aos 25 anos.

Além de pretender assumir um papel com particular incidência no desenvolvimento social, é missão do Clube Colina ser um polo aglutinador da colaboração das famílias para a formação integral da juventude preparando-a para uma atuação construtiva na sociedade do futuro.

Daí que a sua visão– “Formar  o futuro” – se concretize nos seguintes objetivos gerais:

  • Potenciar a geração de profissionais do futuro;
  • Ajudar na construção de uma sociedade com cidadãos conscientes, empenhados e capazes;
  • Promover a excelência nas artes, ciências e ofícios;
  • Revitalizar o papel das famílias na qualificação da educação e da sociedade;
  • Ser uma incubadora de inovação social, partindo da aposta nas novas gerações.

O Clube Colina possui uma abordagem inovadora no acompanhamento personalizado de cada jovem, através de um processo de coaching, que pode abarcar todas as dimensões da personalidade e do projeto de vida, de acordo com as suas necessidades e num contexto de liberdade, num ambiente de amizade e confiança recíprocas.

Construção de um centro de atividades culturais em Braga

Construção de um centro de atividades culturais em Braga
 

Parte do património da Fundação Maria Beatriz Lopes da Cunha consiste num prédio misto situado no Lugar de Barros, Gualtar, em Braga, cidade com forte influência universitária no norte do país.

Nesse prédio, de acordo com a intenção da Fundadora, a Fundação pretende construir um edifício para instalar um centro de atividades culturais para a juventude.

Este centro terá como fim a realização de múltiplas atividades dirigidas a famílias e estudantes com o objetivo da promoção do desenvolvimento das suas potencialidades humanas e sociais, da melhoria da sua formação cultural, cívica, desportiva e artística, do sentido social do trabalho individual e comunitário, do melhor aproveitamento das suas capacidades intelectuais e manuais, do preenchimento dos tempos livres, mediante uma recreação voltada não só para o agradável, mas também para o útil. Para tanto, contará com a contribuição de personalidades ligadas à Universidade, à cultura, às artes e às ciências.

Os projetos de arquitetura do edifício foram aprovados pela Câmara Municipal de Braga a 6 de outubro de 2015, com a denominação “Colina – Centro Cultural e Residência”. Os projetos de especialidades foram entregues a 28 de dezembro de 2015 e aprovados em 22 de agosto de 2016. Prepararam-se entretanto os cadernos de encargos que receberam aprovação em março de 2017. Foram efetuados convites à apresentação de propostas para adjudicação da obra a 13 empresas de construção civil.

A 29 de setembro de 2017, foi celebrado o contrato de empreitada do “Colina – Centro Cultural e Residência” e, a 2 de outubro, apresentado o requerimento de alvará de construção junto da Câmara Municipal de Braga.

Conta-se que o início das obras tenha lugar MUITO EM BREVE!

“A Cultura do Cuidado” – ações de formação

 

Cuidar da casaSem título comum, cuidar da família, cuidar dos que sofrem, cuidar da interioridade na era digital, cuidar da imagem pessoal  são temas de reflexão que se podem resumir no conceito de “A Cultura do Cuidado”.

A Fundação Maria Beatriz Lopes da Cunha decidiu implementar duas ações de formação subordinadas a este tema, a nível nacional, dirigidas a um público-alvo adulto.

A primeira ação de formação teve lugar nos dias 14 e 15 de novembro de 2015, em Arcozelo, Vila Nova de Gaia, com 34 participantes, e a segunda, em 28 e 29 do mesmo mês, em S. Pedro de Sintra, tendo assistido 40 pessoas.

Foram oradores a Profª. Doutora Maria José Pinto Cantista da Fonseca, a Dra. Flora Adelaide de Abreu Teixeira e Costa, a Dra. Paula Maria Alves Guedes, a Dra. Maria Isabel Vieira e o Rev. Dr. Gonçalo Portocarrero de Almada.