Projeto Cabo Verde 2018

Projeto Cabo Verde

O Projeto Cabo Verde

A edição 2018 do  Projeto Cabo Verde, um projeto de voluntariado internacional para a cooperação, desenvolvido por estudantes universitárias e jovens profissionais  teve lugar no Bairro de Fontón, na cidade da Praia, de 22 de julho a 2 de agosto de 2018.

Resultante da parceria entre várias associações portuguesas – a Fundação Maria Beatriz Lopes da Cunha, os Álamos, o Rampa Clube, a Cooperativa de Telheiras para a Promoção da Solidariedade e da Cultura, CRL e a Associação Cultural das Areias (Estoril), em colaboração com a comunidade local caboverdiana.

A estratégia de intervenção abrange três pilares fundamentais do desenvolvimento social: educação e formação, saúde e ambiente.

Formação de Voluntárias – Lisboa
 
 
Seleção e formação de Voluntárias

Cerca de 200 inscrições foram recebidas através do site do Projeto Cabo Verde 2018  De março a junho, decorreu o processo de seleção e formação das 60 participantes provenientes de todo o país. As ações de formação tiveram lugar nas cidades de Braga, Porto, Coimbra e Lisboa.

 

 

Formação em S. Pedro de Sintra
Iniciativas de angariação de fundos

Simultaneamente, foram lançadas diversas iniciativas de angariação de donativos em dinheiro e géneros de modo a suportar as despesas do Projeto e a suscitar a solidariedade com a população-alvo. Destacamos as campanhas “Mochilas Solidárias” e “Famílias ajudam Famílias” que conseguiram mobilizar famílias e escolas de todo o país com o objetivo, respetivamente, de dotar crianças caboverdianas com material escolar básico e oferecer cabazes de alimentos.

 

 

 

“O Verdadeiro Diálogo Derruba Muros”

 

“O diálogo derruba os muros das divisões e incompreensões; cria pontes de comunicação e não permite que alguém se isole”

(Papa Francisco, audiência de 22/10/2016).

 

Refletir sobre as condições, os caminhos, e as possibilidades concretas para o diálogo  no atual contexto de diversidade foi o objetivo de dois encontros, um em Sintra e outro em Arcozelo, V. N. Gaia, que incluíram conferências, palestras e workshops.

A Fundação Maria Beatriz Lopes da Cunha apoiou estas duas ações de formação com a duração de dois dias, dirigidas a um público-alvo adulto, com cerca de 60 participantes. Alexandra Chumbo, Conceição Zagalo, Fátima Carioca, Graça Franco, Pedro Gil, João Franco Reis, Teresa Sarmento, Manuela Gomes e Rita Lobo Xavier foram alguns dos oradores.

Summer School em Fundamentos Filosóficos: A espantosa Realidade das Coisas

 

                              

ser

 “O que é o ser?”.

  A perplexidade gerada pela pergunta está no facto de o ser se encontrar entre os conceitos mais gerais e abstratos possíveis. Pode-se investigar a constituição material e as leis fundamentais da natureza. Esse é o caminho e método das ciências naturais. Mas, será que a razão e as ciências naturais que se dedicam à investigação sobre a constituição das coisas da natureza e quais os princípios e leis que governam os diversos fenómenos conseguem chegar ao conhecimento da realidade das coisas?

Esta ação de formação em Fundamentos Filosóficos teve como objetivo iniciar os participantes nas bases da filosofia como complemento à sua formação académica.

Com a duração de 35 horas, a Summer School realizou-se em S. Pedro de Sintra, durante o mês de agosto, dirigindo-se a jovens estudantes do ensino superior, sob a orientação da formadora Dra. Ana Alexandra Machado.

Apoio ao Incontro Romano 2017 – “ Modelando um Mundo mais Acolhedor”

Apoio ao Incontro Romano 2017 – “ Modelando um Mundo mais Acolhedor”

 

A Fundação Maria Beatriz Lopes da Cunha apoiou a participação portuguesa no Forum Internacional Incontro Romano 2017, em Roma.

 

O Incontro Romano

Desde 1990, são mais de 6000 os participantes, procedentes de 60 países, que ao longo destes anos se têm reunido, durante a Semana Santa, no Forum Internacional Incontro Romano partilhando estudos, experiências criativas, iniciativas e projetos relacionados com um tema geral, atual e aberto.

O Incontro Romano é uma iniciativa que cria espaços de reflexão e promove ações que centralizem a atenção na pessoa humana, fomentem a investigação interdisciplinar, a capacitação com excelência e respondam ao desafio urgente de proteger e melhorar a nossa “casa comum”.

“Modelando um Mundo mais Acolhedor”

Em 2017, o tema Modelando um Mundo mais Acolhedorprocurou responder ao desafio: “A cultura do acolhimento e da solidariedade, segundo a qual ninguém pode ser considerado inútil, deslocado ou descartável”. (Cfr. Mensajem do Papa Francisco para a Jornada Mundial do Emigrante e do Refugiado, 2015).

Nas circunstâncias atuais de mobilidade por razões de trabalho, estudo, migração, perseguição, é urgente despertar uma atitude interior de acolhimento que todo o ser humano possui, e em particular a mulher. Cada pessoa deveria sentir o mundo como a sua casa pelo trato, pela atenção, pelo cuidado. Todos somos responsáveis pelos outros, pelo ambiente humano e acolhedor em que habitamos. O mundo será acolhedor, se cada um é acolhedor. Quando se fomenta a amabilidade, a magnanimidade, a hospitalidade traduz-se em mensagens não verbais que traduzem um profundo respeito, um sentido de responsabilidade pelo outro.

 

A participação portuguesa

Este ano, Portugal contou com uma representação de onze participantes provenientes do Porto (Residência de Estudantes  Rotunda), Lisboa (Residência de Estudantes Laranjeiras) e Montemor-o-Novo coordenada pela formadora Maria Teresa Damásio.

O grupo português obteve o primeiro prémio nas equipas de Criação e Criatividade com a apresentação de um Porto de Honra acompanhado de aperitivos em formato de barcos rabelos.

Seminário para Profissionais e Aficionadas da Moda

Seminário para Profissionais e Aficionadas da Moda

Contribuir positivamente nas tendências e estilos de vida, particularmente no setor da moda, constituiu o objetivo do SEMINÁRIO PARA PROFISSIONAIS E AFICIONADAS DA MODA.

Organizado pela Fundação Maria Beatriz Lopes da Cunha, teve lugar no  dia 27 de maio de 2017, em Fátima, no Hotel dos Três Pastorinhos, com a presença de Paloma Diaz Soloaga.

Paloma Diaz Soloaga é professora titular da Universidad Complutense de Madrid e diretora do master em Comunicação e Gestão de Moda no Centro Universitario Villanueva, na mesma cidade.  Possui licenciatura em Jornalismo e doutoramento em Comunicação e Relações Públicas pela UCM. Desde 2005, o seu campo de investigação e publicações têm versado sobre temas como: “Estereótipos femininos criados na publicidade de marcas de moda. Análise de Conteúdo e estudo de  efeitos nas Mulheres” ou “Gestão de marcas e processos de comunicação”, entre outros.

Diversas bloggers, consultoras de moda, designers, representantes da indústria têxtil e da investigação universitária estiveram também presentes no SEMINÁRIO PARA PROFISSIONAIS E AFICIONADAS DA MODA para  partilharem a sua experiência e boas práticas.

Blogs representados: “A mil à hora“, “Monozigo Sisters“, “ O Blog da Maria

Teresa Ulrich (Monozigo Sisters)
Paloma Diaz Soloaga

 

 

Apoio ao espetáculo “FÁTIMA – O DIA EM QUE O SOL BAILOU” – Viseu

Apoio ao espetáculo “FÁTIMA – O DIA EM QUE O SOL BAILOU” – Viseu

 

No âmbito das comemorações do Dia Internacional da Família e do Centenário das Aparições, a Fundação Maria Beatriz Lopes da Cunha decidiu apoiar, em parceria com a Diocese, o Município de Viseu e a EDP, o espetáculo multidisciplinar produzido pela Vortice Dance CompanyFÁTIMA – O DIA EM QUE O SOL BAILOU– realizado no Pavilhão Multiusos de Viseu, em três sessões, respetivamente:

  • 20 de maio, sábado, às 16.00h
  • 21 de maio, domingo, às 15.00h e às 17.30h .

 

 

Assinado por Cláudia Martins e Rafael Carriço, o espetáculo evoca a presença de Nossa Senhora “vestida toda de branco, mais brilhante que o sol” diante das três crianças, Lúcia, Jacinta e Francisco. O paralelismo entre o momento da aparição e o tempo presente é estabelecido pela fusão de disciplinas artísticas como dança, vídeo, video mapping e cenografia 3D.

A partir dos eventos de 1917, e pela combinação de diferentes artes, faz-se um retrato deste acontecimento que da Cova da Iria marcou o século XX e toda a História Mundial Contemporânea. A universalidade da mensagem de Fátima é marcada pela participação de artistas de diferentes nacionalidades, maioritariamente jovens, acentuando a sua relevância e necessidade de transmissão de geração em geração.

O público pôde  assim usufruir de um espectáculo de qualidade e pouco comum, a troco de módica contribuição, atraindo milhares de espectadores, numa média de mil participantes por sessão.

Projeto Cabo Verde 2017

Projeto Cabo Verde 2017

O Projet15896215_588007951394680_5798623400159278766_oo Cabo Verde (PCV) é um projeto de voluntariado internacional para a cooperação, desenvolvido por estudantes universitárias e jovens profissionais.

Resulta da parceria entre várias associações portuguesas – a Fundação Maria Beatriz Lopes da Cunha, os Álamos, o Rampa Clube, a Cooperativa de Telheiras para a Promoção da Solidariedade e da Cultura, CRL e a Associação Cultural das Areias (Estoril) – em colaboração com a comunidade local cabo-verdiana.

A estratégia de intervenção abrange três pilares fundamentais do desenvolvimento social: educação e formação, saúde e ambiente. A intervenção no terreno, em 2017, efetivou-se de 25 de julho a 13 de agosto e decorreu no bairro do Fonton, na cidade da Praia.

Os objetivos globais e específicos do Projeto pretenderam dar um contributo para fazer dos beneficiários os protagonistas do seu próprio desenvolvimento e, complementarmente, apostar na formação das voluntárias, valorizando a iniciativa de cada uma e proporcionando uma oportunidade de treinar, ganhar e aperfeiçoar competências.

Com o intuito de maximizar o impacto do PCV e potenciar a sua intervenção, foi estabelecida uma relação muito próxima com a comunidade local, nomeadamente o Centro de Intervenção Comunitária de Fonton.

Download

“A Alegria de Construirmos uma Família Feliz” – Rosa Pich e José Maria Postigo

“A Alegria de Construirmos uma Família Feliz” – Rosa Pich e José Maria Postigo

conferencias-rosa-pich-2016De 10 a 12 de novembro de 2016, nas cidades de Almada, Lisboa, Porto e Braga, a Fundação Maria Beatriz Lopes da Cunha, em parceria com a Associação Portuguesa de Famílias Numerosas, promoveu a conferência para pais e educadores “A Alegria de construirmos uma Família Feliz”, em que foram oradores Rosa Pich e José Maria Postigo.

­

Rosa Pich-Aguilera Roca, mãe de 18 filhos, trabalhadora a tempo parcial e autora do livro «Como ser feliz com 1, 2, 3… filhos?» (Paulinas, 2014), revela neste testemunho real a sua feliz e extraordinária aventura no seio da maior família com crianças e adolescentes escolarizados de Espanha e, possivelmente, da Europa.

1507-1

A obra «Como ser feliz com 1, 2, 3… filhos?» versa temas simples e complexos, comuns a todas as famílias com crianças, como a hora da refeição, a escolha da escola, as discussões com o marido, premiar e castigar, conciliar estudo e lazer, gerir o orçamento, amor e sexo, desporto, religião, morte, férias e logística.

“A Cultura do Encontro” – ação de formação

“A Cultura do Encontro” – ação de formação
­a-cultura-do-encontro-12-e-13-de-novembrofrente

­

“Não olhar apenas, mas ver; não ouvir apenas, mas escutar; não só cruzar-se com os outros, mas parar! (Papa Francisco)

­

­

­

O mundo contemporâneo desafia-nos a construir uma Cultura do Encontro que vença a Cultura da Indiferença. Encontro consigo mesmo, na família, nas relações sociais, no trabalho e no descanso, com os mais desfavorecidos, com o transcendente.

A Fundação Maria Beatriz Lopes da Cunha apoia uma ação de formação com a duração de dois dias, dirigida a um público-alvo adulto, que incluirá conferências, palestras e workshops subordinados a este tema.

Esta ação de formação teve lugar nos dias 12 e 13 de novembro de 2016,  em S. Pedro de Sintra.

O Clube Colina – o Living Lab da Fundação em Braga

Desde sempre foi preocupação da Fundação que a infraestrutura a construir em Braga, bem como todas as que futuramente se vierem a edificar, viessem a ter uma clara e elevada taxa de utilização tirando partido de todas as valências oferecidas de uma forma permanente. O objetivo será que todas as unidades ou valências da Fundação sejam montras vivas – Living Labs – dos seus projetos, implementações reais dos conceitos de sustentabilidade para a Família, realizações animadas pela Juventude, onde se aplica a metodologia da Educação Personalizada.

131

O Clube Colina define-se como um Clube de Famílias que, juntamente com especialistas em diferentes áreas, assumem a responsabilidade da organização de atividades culturais caracterizadas pela transversalidade dos eixos estratégicos da Fundação e com uma programação regular para jovens dos 10 aos 25 anos.

Além de pretender assumir um papel com particular incidência no desenvolvimento social, é missão do Clube Colina ser um polo aglutinador da colaboração das famílias para a formação integral da juventude preparando-a para uma atuação construtiva na sociedade do futuro.

Daí que a sua visão– “Formar  o futuro” – se concretize nos seguintes objetivos gerais:

  • Potenciar a geração de profissionais do futuro;
  • Ajudar na construção de uma sociedade com cidadãos conscientes, empenhados e capazes;
  • Promover a excelência nas artes, ciências e ofícios;
  • Revitalizar o papel das famílias na qualificação da educação e da sociedade;
  • Ser uma incubadora de inovação social, partindo da aposta nas novas gerações.

O Clube Colina possui uma abordagem inovadora no acompanhamento personalizado de cada jovem, através de um processo de coaching, que pode abarcar todas as dimensões da personalidade e do projeto de vida, de acordo com as suas necessidades e num contexto de liberdade, num ambiente de amizade e confiança recíprocas.